segunda-feira, 29 de junho de 2009

Legendary Tiger Man w/ Asia Argento - Life Ain't Enough For You



O que eu espero e desespero por este album... ainda vou ter uma desilusão é o que é.
Já há muito que cá queria pôr esta música mas ainda não havia no youtube nem tinha arranjado forma de contornar isso. Agora já há. Aqui fica.

The National - Fake Empire



Stay out super late tonight
picking apples, making pies
put a little something in our lemonade and take it with us
we’re half-awake in a fake empire
we’re half-awake in a fake empire

Tiptoe through our shiny city
with our diamond slippers on
do our gay ballet on ice
bluebirds on our shoulders
we’re half-awake in a fake empire
we’re half-awake in a fake empire

Turn the light out say goodnight
no thinking for a little while
lets not try to figure out everything at once
It’s hard to keep track of you falling through the sky
we’re half-awake in a fake empire
we’re half-awake in a fake empire

sábado, 27 de junho de 2009

The Ronettes - Be My Baby




The night we met I knew I needed you so
And if I had the chance I'd never let you go
So won't you say you love me
I'll make you so proud of me
We'll make 'em turn their heads
Every place we go
So won't you please

(Be my be my baby) Be my little baby
(I want it only say) Say you'll be my darling
(Be my be my baby) Be my baby now
(I want it only say) Ooh, ohh, ohh, oh

I'll make you happy, baby
Just wait and see
For every kiss you give me
I'll give you three
Oh, since the day I saw you
I have been waiting for you
You know I will adore you
Till eternity
So won't you please

(Be my be my baby) Be my little baby
(I want it only say) Say you'll be my darling
(Be my be my baby) Be my baby now
(I want it only say) Ooh, ohh, ohh, ohh, oh

So come on and please
(Be my be my baby) Be my little baby
(I want it only say) Say you'll be my darling
(Be my be my baby) Be my baby now
(I want it only say) Ooh, ohh, ohh, oh

(Be my be my baby) Be my little baby
(I want it only say) Ooh-oh-oh-oh, ooh-oh-oh-oh
(Be my be my baby) Oh-oh-oh, oohh...
(I want it only say) Oh, oh, oh, oh, oooohh...

quarta-feira, 24 de junho de 2009

Arcade Fire - Crown of Love



They say it fades if you let it,
love was made to forget it.
I carved your name across my eyelids,
you pray for rain I pray for blindness.

If you still want me, please forgive me,
the crown of love is fallen from me.
If you still want me, please forgive me,
because the spark is not within me.

I snuffed it out before my mom walked in my bedroom.

The only thing that you keep changin'
is your name, my love keeps growin'
still the same, just like a cancer,
and you won't give me a straight answer!

If you still want me, please forgive me,
the crown of love has fallen from me.
If you still want me please forgive me
because your hands are not upon me.

I shrugged them off before my mom walked in my bedroom.

The pains of love, and they keep growin',
in my heart there's flowers growin'
on the grave of our old love,
since you gave me a straight answer.

If you still want me, please forgive me,
the crown of love is not upon me
If you still want me, please forgive me,
'cause the spark is not within me.
it's not within me, it's not within me.

You gotta be the one,
you gotta be the way,
your name is the only word that I can say

You gotta be the one,
you gotta be the way,
your name is the only word , the only word that I can say!

Only one that I can say!

La la la
La la la

domingo, 21 de junho de 2009

Combinação Mortal

Quando tinha cinco anos, a minha mãe comprou-me um conjunto de camisa e calções aos quadradinhos vermelhos e brancos com colarinho e bolso branco liso. Por essa altura o meu pai também me comprou uma carteira da Mafalda. Se usasse estas peças separadas nada de mal acontecia, mas cada vez que vesti este conjunto com a carteira foi fatal.
A primeira vez que usei tudo foi numa noite de verão. Tinhamos ido tomar café, com o meu tio, tia e primo. Como habitual depois de estar um tempo numa esplanada fomos passear pelas ruinhas da baixa. A minha mãe e a minha tia sempre atrás a perderem-se em montras. O meu pai e o meu tio à frente a rir, lembrar e sonhar com o futuro agarrado ao passado. E eu, o meu irmão e o meu primo sempre a correr para a frente e para trás, a pararmos na Românica e desejarmos em voz alta.
Chegámos à praça do comércio e não sei o que passou pela cabeça do meu primo, desatou a correr como se não houvesse amanhã. O meu tio começou a chamá-lo e ele não parava. Eu decidi por minha conta e risco correr atrás dele para o apanhar. Afinal sou dois anos mais velha, não havia de ser difícil! Quando o estava quase a apanhar tropecei numa pedra e caí de chapa. Lembro-me de olhar para cima e ver o meu primo parado à minha frente, com um macacão azul e amarelo, a chorar ainda mais do que eu. Rapidamente os meus pais lá chegaram. Eu tinha um joelho esmurrado, a bochecha esfolada e a cabeça partida. Havia sangue por todo o lado.
O meu pai levou-me nos braços até à portagem para apanharmos um taxi que o nosso carro estava longe. Eu a minha mãe e o meu irmão fomos para o pediátrico e o meu pai até ao terreiro da erva buscar o nosso renault 5 branco. No caminho ia deitada ao colo da minha mãe e ela aflita, com medo que desmaiasse ou perdesse a consciência, ia sempre a dizer para eu falar. Lembro-me de irmos a passar na Ferreira Borges/Visconde da Luz e ler os reclamos luminosos em voz alta. Depois calei-me e a minha mãe muito aflita: “Rita, Ritinha diz alguma coisa. Canta!” e eu cantei a música que andava a aprender na altura: “o meu chapéu tem três bicos, tem três bicos o meu chapéu...”.
Chegámos ao pediátrico e a minha mãe resolveu telefonar a um amigo da família, o Doutor Capelo, que trabalha no pediátrico mas na área de queimados, o que justifica a cicatriz enorme que tenho na testa.
A última coisa que me lembro deste episódio é ter um pano amarelo com um buraco, em cima da cara.
Passádos uns meses voltei a vestir as mesmas peças de roupa. O conjunto dos calções com a camisa aos quadradinhos vermelhos e brancos e a carteira da Mafalda.
Aos domingos os meus pais costumavam ir tomar café com os amigos ao jardim da manga. E nós, os miúdos andávamos por ali a brincar. O jardim da manga tem aquela espécie de fonte mas às vezes estava vazia. Era o caso. Então o meu irmão que era o mais velho de todos decidiu que era óptima ideia irmos lá para dentro brincar. E até aqui era boa ideia. No sítio onde normalmente há água, existem uns degraus grandões, aí um meio metro, que me lembre, mas para quem tinha apenas um e pouco de altura aquilo era grande. Então o meu irmão teve outra grande ideia: “vamos ver quem é que sobe e salta mais degraus e mais rápido!”
Acabou da seguinte forma: com os meus pais a correrem para dentro de uma fonte porque eu estava a chorar alto e bom som e tinha partido um braço. O esquerdo!
Mais uma vez pediátrico, gesso e assim. O meu irmão foi um querido que, apesar de não ter culpa de eu não ter nascido para saltos, me fazia festinhas e dizia que já não doía.
Nunca mais me deixaram sair de casa com as três peças ao mesmo tempo, mas isso é porque a minha mãe tem estas coisas supersticiosas.

sábado, 20 de junho de 2009

José Mario Branco - FMI

Mãe, eu quero ficar sozinho... Mãe, não quero pensar mais... Mãe, eu quero morrer mãe.
Eu quero desnascer, ir-me embora, sem ter que me ir embora. Mãe, por favor, tudo menos a casa em vez de mim, outro maldito que não sou senão este tempo que decorre entre fugir de me encontrar e de me encontrar fugindo, de quê mãe? Diz, são coisas que se me perguntem? Não pode haver razão para tanto sofrimento. E se inventássemos o mar de volta, e se inventássemos partir, para regressar. Partir e aí nessa viagem ressuscitar da morte às arrecuas que me deste. Partida para ganhar, partida de acordar, abrir os olhos, numa ânsia colectiva de tudo fecundar, terra, mar, mãe... Lembrar como o mar nos ensinava a sonhar alto, lembrar nota a nota o canto das sereias, lembrar o depois do adeus, e o frágil e ingénuo cravo da Rua do Arsenal, lembrar cada lágrima, cada abraço, cada morte, cada traição, partir aqui com a ciência toda do passado, partir, aqui, para ficar...

sexta-feira, 19 de junho de 2009

Morrissey - Let Me Kiss You



There's a place in the sun
For anyone who has the will to chase one..AND I
I think I've found mine
Yes, I do believe I have found mine

So, close your eyes and think of someone you physically admire
And let me kiss you, let me kiss you

I've zig-zagged all over America and I cannot find a safety haven
Say, would you let me cry on your shoulder
I've heard that you'll try anything twice

Close your eyes and think of someone you physically admire
And let me kiss you, let me kiss you

But then you open your eyes and you see someone that you physically despise
But my heart is open, my heart is open to you.

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Stealing Beauty



I wait I wait so patiently
I'm quiet as a cup
I hope you'll come and rattle me
Quick! Come wake me up.

terça-feira, 16 de junho de 2009

I'll Be Your Mirror

video
fotografia: Pedro Pinto

I'll be your mirror
Reflect what you are, in case you don't know
I'll be the wind, the rain and the sunset
The light on your door to show that you're home

When you think the night has seen your mind
That inside you're twisted and unkind
Let me stand to show that you are blind
Please put down your hands
cause I see you

I find it hard to believe you don't know
The beauty that you are
But if you don't let me be your eyes
A hand in your darkness, so you won't be afraid

When you think the night has seen your mind
That inside you're twisted and unkind
Let me stand to show that you are blind
Please put down your hands
cause I see you

I'll be your mirror

sábado, 13 de junho de 2009

Jesus and Mary Chain with Mazzy Star - Sometimes Always

video
fotografia: Pedro Pinto

I gave you all I had
I gave you good and bad
I gave but you just threw it back

I won't get on my knees
Don't make me do that please
I've been away but now I'm back

Don't be too sure of that
What makes you sure of that
You went away you can't come back

I walked away from you
I hurt you through and through
Aw honey give me one more chance

Aw you're a lucky son
Lucky son of a gun
You went away, you went away
You went away but now youre back

I got down on my knees
And then I begged you please
I always knew you'd take me back

quinta-feira, 11 de junho de 2009

La Tigre e la Neve

"Attilio,
Attilio de Giovanni,
Io canto il tuo nome, parole che mi appre le porte del paradiso
Io non ti perderò mai
Lo vogliano gli dei
Quando mi baci, trottano fuori cavalli dell'apocalisse
E si penso al tuo corpo, difficoltoso e vago
La vertigini me si porta via
La tua divinità maschia ascende al cielo
Sei bello
Tu, girassole impazzito di luce
Ogni volta che tuoi occhi si sollevano se ascende il firmamento
Amici, echo qui che la terra, come una madre allatta la sua creatura più bella
O amore, ogni cose è al colmo del fervore
Dalla mia gola alle stelle si alza la parola
Come una cometa d’oro
Ti amo
Voglio fare l’amore con te adesso

-Questo è il più bel verso che abbia mai sentito in vita mia.”

Saudades de Nova Iorque

"11.12.99 Foz do Douro

Vivemos por antecipação. Raramente estamos onde estamos. Projectamos futuro, uma coisa que não é. O sossego torna-se difícil. Ficamos facilmente desajeitados e confusos. Vivemos várias vidas sem que nenhuma possamos viver. A vida que estamos a viver não coincide com aquela que estamos a viver, uma vida esquecida por outra, impossibilitada por outra, inimiga de outra. Falamos e depois ficamos calados. Ficamos calados porque as palavras se retiraram, uma a uma. Um gesto é a sombra de outro gesto, de um pecado maior. Queríamos que tudo terminasse de seguida, era preciso que algo tivesse começado. A sucessão das noites e dos dias mostra a grande indiferença do universo pelas almas. As coisas por dentro são um mistério tão grande como por fora, dizias tu, não vale de nada descobri-las. E não há maneira de saber onde estamos. Que aquilo tudo por onde passava, que fazia todos os dias, não podia ser senão outra coisa, o inverso do possível. Que caía como uma pedra depois de ensaiar o primeiro voo."

Pedro Paixão, "Saudades de Nova Iorque"

Magnetic Fields - I don't want to get over you



I don't want to get over you. I guess I could take a sleeping pill and sleep at will and not have to go through what I go through. I guess I should take Prozac, right, and just smile all night at somebody new, Somebody not too bright but sweet and kind who would try to get you off my mind. I could leave this agony behind which is just what I'd do if I wanted to, but I don't want to get over you cause I don't want to get over love. I could listen to my therapist, pretend you don't exist and not have to dream of what I dream of; I could listen to all my friends and go out again and pretend it's enough, or I could make a career of being blue--I could dress in black and read Camus, smoke clove cigarettes and drink vermouth like I was 17 that would be a scream but I don't want to get over you.

terça-feira, 9 de junho de 2009

Uma dúvida, duas dúvidas... tretas!

"Houve um tempo em que as palavras eram tão poucas que nem sequer as tínhamos para expressar algo tão simples como esta é a minha boca ou essa boca é tua e muito menos para perguntar porque é que temos as bocas juntas."

segunda-feira, 8 de junho de 2009

Love Hurts - Love Really Hurts




É trabalho de João Pombeiro e gostei particularmente destes.

Achei bonito.

domingo, 7 de junho de 2009

O Tigre e a Neve

You Can Never Hold Back Spring - Tom Waits



You can never hold back spring
You can be sure that I will never
Stop believing
The blushing rose will climb
Spring ahead or fall behind
Winter dreams the same dream
Every time

You can never hold back spring
Even though you've lost your way
The world keeps dreaming of spring

So close your eyes
Open you heart
To one who's dreaming of you
You can never hold back spring
Baby

Remember everything that spring
Can bring
You can never hold back spring

sábado, 6 de junho de 2009